onselectstart='return false'

Translate

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

PrOSoPoPÉiAS DA RaZÃo: SEU VÍCIO EM MIM!






PABLO RODRÍGUEZ GUY - "Memoria viajera", 1999
pigmento - acrílico - collage, sobre madera, 80x100 cm.






Caro apaixonado,


Eu sei que você me desejou por diversos momentos na sua vida. Me desejou com aquela sede insaciável, que nem a mais refrescante das águas minerais te saciava. Nas festas, no café da manhã, almoço e janta, até nos bares e casamentos...você me queria. E, mesmo assim, você ainda me culpa, por eu ser seu vício.














VAZIO TRANSCENDENTAL




SÉRIE - PrOSoPoPÉiAS DA RaZÃo

SEU VÍCIO EM MIM!










Você tem medo de me pagar, me consumir e pegar doenças. Eu sei. Você tem medo que eu tenha algo de estranho dentro de mim. Você tem medo de pegar através de mim uma paralisia muscular, e que eu possa aumentar sua pressão arterial. Você também tem medo de se sentir fragilizado e ter uma osteoporose e também, um câncer.



E mesmo assim você me deseja...



 Tive inclusive vídeos pelos quais eu luto para retirarem da internet pelo direito de preservar minha imagem. Me filmaram sem a menor permissão, sendo usada como simples objeto, como uma simples amostra. Estou triste. Muito triste. Mas não peço para você gostar de mim. Não peço nem para me pagar e me ter como algo de prazer durante aquelas horas fatídicas de sede. De intensa sede. 


Sou seu vício. Sou sua pior inimiga. Sou sua fonte inesgotável de prazer e altas taxas de glicose no seu sangue. Eu sei que você quer me tomar por inteira. E mesmo assim, me critica e coloca na sua lista de final de ano, como uma inimiga de estado que deve ser extirpada à partir do dia Primeiro de Janeiro de qualquer ano. Você sempre diz que estarei fora da sua vida, e, muitas vezes, você voltou atrás, quase pedindo desculpas esfarrapadas, e veio logo me pegar. 


Você nunca resisti. Sempre estou trincada. Congelada. Estou deliciosa. Sei que de vez em quando, seu dinheiro acaba, e você paga alguma outra mais barata, cujo os nomes são estranhos, e você as consome por inteira, escondido no banheiro, e finge ter o mesmo prazer que você sente comigo. Sei bem esses nomes. Sei bem o quanto você paga por elas, e sei bem a sede que você não mata ao pegar em cada uma e se deleitar com elas dentro da sua boca. 


Mas...quando você está com dinheiro, vem atrás de mim. Você vem me pagar para adquirir meu trabalho e o que farei com a sua sede? Irei extirpa-la, novamente. Irei afagar cada segundo do seu instante te trazendo prazer. Descendo lentamente. E você diz que nunca mais vai me largar. E eu também concordo.


Outra coisa, caro apaixonado, quando quiser me encontrar. Vá em cada esquina que estarei te esperando. Pode ser numa boate, em algum bar ou boteco de segunda. Você poderá me encontrar, às vezes, com um preço diferenciado, mas dependendo da sua sede, conversando com o dono do estabelecimento, poderá barganhar um pouco a sua miséria e me pagar. Você pode me encontrar também dentro de uma farmácia, onde estou praticamente todos os dias inteira e intacta. 


E quando me levar pra casa, sei exatamente onde você irá me colocar. Primeiro, você passará a mão por mim. E depois, me levará para a geladeira ou congelador, dependendo da sua sede. E depois, vai me consumir toda! Só não diga que eu sou a vilã, pois eu sempre te dei o maior prazer após as diversas refeições que você digeriu na sua vida. Por isso, me respeite mais e é isso!




Com muito carinho e amor!


Ass:

COCA COLA!